sábado, 26 de junho de 2010

Para Emília Ract, Luciano e Dionísio

Não temo a loucura arriscada

que parece acompanhar tudo que é novo.

O que mais me assusta é a inércia da certeza,

que insiste em macular de tédio o amanhã,…

pelo extraordinário que inexiste

nas coisas seguras…
.

Quão insípidas são essas horas

todas já tão planejadas,

esses passos firmes, por estradas retas,

acinzentando o mundo com prévios resultados…
.

Sei que posso estar errado…

mas prefiro o inusitado

perigo das curvas.


DIONÍSIO * André L. Soares

3 comentários:

Beaz disse...

Me parece tudo correto - palavras e ilustração - sem prejuízo da beleza.

Flor disse...

Não temer é viver ...
temer é vegetar ...

lindo teu trabalho Adriana ...
parabéns...

Doro disse...

Lindo.